sns-container
SNS-Print

Nova campanha visa diversificar hábitos alimentares.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) lança esta quarta-feira, dia 6 de novembro, uma campanha nacional para incentivar os portugueses a aumentarem o consumo de fruta, hortícolas, leguminosas e água, enriquecendo a dieta de forma progressiva.

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, explicou que o incentivo ao consumo destes alimentos pretende ser uma estratégia para modificar «passo a passo» a dieta dos portugueses, sublinhando a base científica destas recomendações.

«Sabemos que não é de um dia para o outro que se alteram hábitos alimentares. E não é só acrescentar estes alimentos. Naturalmente, os hábitos alimentares vão mudando e haverá um ajuste no consumo de outros alimentos», disse Graça Freitas.

Para a responsável, o objetivo é diversificar a alimentação, com base na evidência científica.

A Diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS), Maria João Gregório, sublinhou que esta campanha, que dura três semanas, será «pela positiva».

A responsável recordou que mais de metade dos portugueses não atinge o consumo recomendado de frutas e hortícolas e, quanto às leguminosas, só se consome um quarto das doses recomendadas.

«E a água é cada vez mais substituída por outras bebidas com açúcar adicionado, o que não é recomendável», alertou.

Reconhecendo que as mudanças nos hábitos alimentares são difíceis, Maria João Gregório sublinhou a importância das pequenas alterações, «passo a passo», explicando que os alimentos abrangidos por esta campanha não foram escolhidos por acaso.

A campanha terá cobertura nacional e será divulgada nas televisões, rádios, imprensa, nacional e regional, em mupis e cartazes nos transportes públicos, além dos meios online, para motivar os portugueses a diversificar a sua alimentação.

«Comer melhor, uma receita para a vida» é o slogan da campanha, que na primeira semana se focará em motivar o consumo de água, na segunda semana o de leguminosas e na terceira e última semana o consumo de fruta e hortícolas.

Segundo o relatório de 2019 do PNPAS, os hábitos alimentares inadequados são um dos principais determinantes da perda de anos de vida saudável pelos portugueses e que o baixo consumo de cereais integrais, fruta e frutos oleaginosos são os principais fatores que contribuem para a perda de anos de vida saudável.

O documento indica que cada português consumiu no ano passado 60 litros de refrigerantes, o que equivale a 3,3 quilogramas de açúcar, um valor menor do que no ano anterior, quando começou a ser aplicado o imposto sobre estas bebidas.

Contudo, o relatório revela que entre fevereiro e abril deste ano houve um aumento de 4% nas vendas destes produtos relativamente ao período homólogo de 2018.

Fonte: Lusa

Voltar

Últimas Notícias

40% dos municípios já dão respostas de saúde oral.
15/11/2019
Comunicado da ARS Lisboa e Vale do Tejo.
15/11/2019
Cerca de 80% dos ACES já dispõem de consultas de saúde oral  
15/11/2019